sexta-feira, novembro 28, 2008

Manu Ferreira Leite: - Ironia te no moda! ... Sera Cinismo?

Regras de Lideranca, segundo Boltchor:


1. Pe driji um empresa, p’ermer escui pessoal k tem menus escola k bo! (Mt impurtente: - Da orda e tud gente vana k kebeca pe riba e pro boxe!)


2. Tud "erre" k bo pessoal da, griteje n'uvide k’eje je uns estupte, esfoleje e eskroceje, enkuente e tempe.


3. Kej m'tur de bossa, resteje pe dboxe de mesa de jete k ninguem n d'oeje. (S’alguem txeka k bo tembe bo te erra, e simplesmente fatal ! Bo te fka sim esdreta pe respinga).


4. Vigia bo pessoal ne tud o k k’eje te feze. Sej dze un coza meriode ne tlefone, imendeje log la, poje te dze kel frase currete imediatemente ou enton desmentij senon currejij ne frente de kel cliente. Essim kej te prende!


5. Ness empresa mi e k te manda, e s’alguem refila inda m te po sis c’lega tud contr’ ele. Jogue psic’logeque, chantaja, sok ne mesa, tud vale!


6. S’alguem ousa um dia refila k mim, te kre da pelpite...oh Criston de Deux, m te bem fezeb vide negra! (Ness case, gente te plica tud kej regra anterior mej, dum forma redobrademente severe.


7. S’alguem tenta dze k mnine sebe nada m te contel tud nhe vida, clare nem tud, … um m'tirinha ou ote pe fka dret ne fita!


8. Enfim! S’elgum fka prenha, m te mendel be descanssa na casa ... sim d’reite de feria, indemnizosson pe fim de controte, despedimente por injusta causa ou descriminosson! Na Cau Verdi ki du sta, moda eje te dze no Fogue!


9. Nada de resolve cosa relacionod k pessoal de empresa. kej coza la nunca e prioritario! Burre e ferel e po no lombe k te cunv’del.


10. Kolker duv’da sobre k’menera k no te terbaia ne NHE empresa: Lembra k’ m tem Faca e Queje no mon! Lembra... dum manera suave, ma lembra!


11. A derradeira e principal: Quem q'zer segui nhes regra te cuntinua, e quem k n k'zer primer um czukuk de "T’rrurisme psic’logeque", depois logo se veh.


Boa Sorte ah Todos!


Atensson: Nho boca n da la!

VB

terça-feira, novembro 11, 2008

28/08/63 - Martin Luther King: I Have a Dream!

(...) Os anos passam...



04/11/2008 - Barack Obama: Yes, we did!


09/11/2008 - Oteniel Jorge Monteiro (Mitú Monteiro): Campeão Mundial de Kitesurf! Oléeeee

hehe..coincidências!

Kej k inda n descubri kem esse tal Mitú Monter... dá um clicada eiéssim

VB

sábado, setembro 06, 2008

Chantagem: Ti Jon ma Crisónte

Ti Jon Elbine tinha um rodión kej mendel d'estrenger.

Tud vez kel besse pe r'birinha séca cová batata el tava pó kel radio ne kéndénte rancá té bé ne Ledera de fréd k kel coza dód tud v'lume.

Tud dia de térde Nhe Jon Elbine tava sebi na gude de sê casa ke kel radio pel podia rénquésse el nób.

Um belo dia, Crisónte kmeça te mexel ne kel buton de v'lume dess radio.

Nhe Jon Elbine ke kel voz sereno kel tinha, el voltá pe Crisónte el Dzé:

- Crisanto, kem criób?

- Ê ocê Ti Jon! Crisónte respondé.

Nhô jon voltá ne el, kum calma da trampa el dzel:

- Enton tchá radio lá!

VB

quarta-feira, agosto 20, 2008

Por favor: Assinem a petição!

MASSACRE DE GOLFINHOS NO JAPÃO!

Isto acontece
HOJE no Japão, um dos países mais "desenvolvidos" do mundo!


Encontrei este vídeo aqui com estas palavras:

"Impressionante!

O link que de seguida se apresenta contém, para mim, algumas das mais chocantes imagens que vi até hoje. São imagens de golfinhos, esses seres amorosos que os pais mostram aos filhos no jardim zoológico e sobre os quais já se fizerem várias séries televisivas e inclusive filmes. Se chorarem não faz mal. É sinal de que vão revoltar-se e vão reencaminhar para o máximo de nº de pessoas possível. O Japão, auto-intitulado de paladino do desenvolvimento deveria baixar os olhos de vergonha e agir. E a comunidade internacional não será menos culpada ao permitir tal cobardia. Quanto a nós, o pior que podemos fazer é não fazer nada. Se colaborarmos na divulgação destas imagens, quem sabe, um dia, a voz colectiva dos que não aceitam este sofrimento seja ouvida."

Por favor, assinem a petição http://www.glumbert.com/media/dolphin
Por favor firmar la petición
Signez s'il vous plaît
Please sign the Petition

quarta-feira, agosto 06, 2008

Poema m'xtôr do Olavo!

...a criação!

Poema do Olavo. retirado daqui














(A criação de Eva- Michelangelo - Imagem daqui)


deus inventou a mulher

a imagem da mãe

a mulher criou o homem

a imagem de deus

o homem inventou o pecado

a imagem do prazer

o pecado criou a lei

a imagem da dor

a lei sublinhou a culpa

a imagem da culpa

proclamou a culpa a morte do gozo

a mortificação dos corpos

a sociedade o tripalium

e a convivência entediada entre os homens

assim

na ressaca dos dias

e nas noites insones

nasceu a poesia...

terça-feira, julho 29, 2008

PM e JS num Grelhada de Burre!

Ah proposite, te prei te k’rré um estóra d’um criôtura de Bubista sobre méj recente descuberta e m’révilha ne “Arte d’ Culinária”, sub’tude ne Boévista e lá pe kej banda de Porte Nove!

Primer m t’aconcelhá um leitura dess post de Cabrera, e já agora de Sinta10 pe pode enquadrá m’lhôr.

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Como mim de k’mida m t’intendé pôk (…méj ê de dçapá nê dent p’ta de Rótcha), nhe opinion te bem “SSinji”, e m te torr’ná repeti “SSINJI” ne sê perdute final, isto ê, FORMOÇON DE K’MÔA (o qual, clare está, já é de nhá área de cumpetênça)

Perecer de Bemdzide:

M uvi d'zé ké k'môa de ôlmoce de kérre de burre ê moiédin! N'né mut aconselhava n’um p’rinzempe p'us S’nhôrs diputade...

Se non, vejameje: (Fovôr de grilirem os olios)

Eiêssim bukinhábaxa:

Imeginá um "Djodje Santos" la ne ssêmblêa te dá keje sôk "d'rriba da mêsa"

- Sr. Primer Dem’niste, ocê ê mut m'txerkirin...ocê permeté pove bonança e gôra eté mi m tem k'mê nô burre! OPS,oiá prové disse, s’oáa prové disse...m te k prison de vent k molhe!

PM: Desculpe Sô Doouutor, por oooutres palaavres o SEEU TEEECIDO IIIINTESTINAL está dando sssinais de deebandada!

Djodje: - Am porrahm...Jam xujá nhem méme ah! Tembê Djósa, flá méj d’préssa ahmmm…. Òooh tchébééék!

PM: - Djôdje, iiisy bóy! Vou peedir ao BEMDZIDE uma aanálizee da “Situação”, a fim dee aji-lizarmus e moobii-lizarmos meiux para podeermos GIIZAR uma purção de pulíticas fescaij para toduz’uje EXCREMENTUS em forma desse lííquido, xtranhu..que atacam o teeecido intestinal.

Djodje: Tembé, gora k jam intendé k konde bo dzé “BONANÇA” bo tava ejebr’otode bóka ne puisía… era um f’gura de xtile nevéra Djósa?

PM: - Djódji, ehh rapáse! Fitxá bóka móhh… Cudadu ku mosca!

AL(President Assemblêa): Alertamos a todos os presentes a taparem o nariz, aproveitando o intervalo para um carpaccio!

VB

sábado, julho 26, 2008

Mi ma Tchi (Fi de Ti Cónde)

Tchi, moda jame tinha dzide num post de diazá, foi um de kej mior inssurra de todos os tempos lá de nhe R’bera, e, clare está, um de kej “eterno roposa”.

Tchi (Fi de Ti Cónde) era um répéz bestente mej vei k mim ma nhe Grupin de Quêmod (Mim, Tave, Minduca e Toys). Um repezin um tonte ou quente cotchédin fisicamente e bestente agressive. El tinha reputação de ser bom ne dá torne e nê queda peito ê peite, kej tipe de luta preticod ne nôs praça.

Ma mim, disde puknuk (eliés, moda um emig de minha te dzé k inda mine criá..) m foi um repézin de péje, “contra Violênça”. Non por opçon méj..bom, nhe kunstriçon n dava déme pé méj, mnij… F’lá verdéde n’nê krime..

Um bele dia min tê bem d ténk ma nha malta de “Quemode”(Mim, Tave, Minduca e Toys), Tchi ti te bem eskrroçode te pome nome (hihihi, min di te bem dzé senon bzot te kei de riba d mim).

Bom, num situoçon normal m tava xetiá béstente ma cond era Tchi m tava fka mej cotelod. Kel dia lá, Tchi pome nome el k’rrê. M expiá ne kej mnine m dzê: - Pê gora k bo te velem!

Bzot duv’nhéme… Invete d’um k’rrê pa casa m largá tréz de kel molvode.

(…) Ne contrô-curva m incontrá Tchi lá puste doz sôk nó cóbe. M pensá dent de mim:

– Óh Deux, mi a k’rrê mej ou m te voltá? Ulil te bem metéme…. Bom, um Home necé pe m’rrêce um dia (primêrê vez keme pensá essim…). M sinti um durzinha ne pê de bérriga tronçóde k vontéde de baxá.

Pusiçon de sók, embora te tremê ma m tava lá… uffh..respirá funde!

Ònje de nhá Guarda Sónte de nhó nome..Bronze é kê nhô nome! (Come s’isse ta te bé sélvéme de kel berrniçon… esse era nhe destine de kel dia, jal tava escrite home!)

Mim - Bem, humm, bo pode bem k’m te bem mótób!

Vavá já t’má doz grôn de sôk ne kextéla, lá devagar! Depoj el voltá pa casa lombude de kexá.

Malta de “Quêmode” inda pe ejdá, eje escapá de m’rré de rise…

VB

quinta-feira, julho 17, 2008

Inflação Marota














Um émiga de minha, cabá de txgá de féria de sentônton el contéme ess pirraça eí, k'um senhor de Póul contél:

Um casal de vei, Nhe Grigóra ma Nhô Chuque!

Nhe Grigóra
pó mon ne tutice e ao memo temp el dzé Nhô Chuque:
- Cocéme eiéssim nó pólpa oá Chuque!

Nhô Chuque cocél ne Tutice justin ondé k Nhe Grigóra tava k món.

Nhe Grigóra: Óh perquéria lá kê pólpa?

Nhô Chuque: Adá Grigóra, bo n sébe ké góra tud coza ja s'bi?

hahaha...um késtigue!

VB

quarta-feira, junho 25, 2008

K'rêngueje Caboverdiane!

Um pescodor de k'rêngueje nunca tava tapá balde onde kel tava pó k'rêngueje kel tava panhá. Tud gente tava f'ká d'mirod.

Um dia, consod de keriusidéd, um alma de Deux tive coraja de perguntél:

- Mode kêm k bo n de tapá ess balde de k'renguêje? bo n den méde dexe f'gi?

Kel pescodor respondé:
- N'né precise... Êje ê K'rêngueje Caboverdiane: Kónde um te guet'nhá s'bi, kej ôte tud deprissinha de pxél p'ró bóxe!

VB

Son Jôn ne Porte Nove e Son Junzin de R'bera das Pata

M te bem recuperá um de nhes primer post lonçode eiêssim, pe inganá ess ciumes da trampa ke'm ta de kej malta la pô Porte e ne Sanjunzin de nhe Tirrinha, R'bera das Pata: Justin ohôje...

Nhes mnine.. Tchême bem contá bzôt un coza: - Ne kel tempe era um Sôbura ness tchan de compe de Porte..te bê levá Senhor Sônjôn..Ah lebardá pó ne tombôr, ah colá, ah espancá..ah nhej gente, uá bzôt n'sêbe nada brincá eh!
Era êssim ah..(tchgá ei Seclasta!):
Colá, colá só sêbe; Colá, Colá ness pique; ness pique de M'ri d'èninha, Meriana rôtché pinta, é pinta ne pintor (...) Kei pe Rôtchô boche, per cóza d'um rol de tchuk..uhuhu . . uh uh..ó k sêbe..
A dáaaa bo a dzé jame skcé ess perkéria dess quentiga???
Am mim bzôt lérgueme domon ôme!
Éssim, espancá estôpôra, calcá, colá...
Kel ká kel tempe ke gente tá dçapá bobra pe fzé bespuéte! (Cuidóde ne tchmeme bojofe, mnine tchkêr fogon!) ...

VB

sábado, junho 14, 2008

Ti Entunin e Jon de Conxa



Uffffah! uma estorinha pe descompressá um c'zinha!:



Jon de Conxa era um gaje bestente k’ncide lá pe kej banda, pe sij dote de tocá chocalho e cantá son Silveste.

Konde el p’xoná pe Nh’Ógena, filha de Ti Entunin, el passá “Pior ke Róte ne Bli” moda Nhe Lolita te dzê.

Ti Entunin, conde el t’ma dagada dess poxón dex doj criotura jal po Djena te dermi três del tud dia.

Tud dia de note, Jonde Conxa tava ronda casa pe uns minute, depoj el tava da um subiu, Djena já sebia el tava p’xá Toza um finta dá pê d’Êzete.

Dia te passá Jon de Conxa ti te dezenimá, kê sebe Djéna já n’di te percé…

Kond Ti Entunin descubri okia k tava significá kej sebiu kel tava estod te uvi tud dia de note el dzê.

- Hoje ê kê kel dia einh!

(…) de notinha já dá, as tantas, jon de conxa já descascá bukiha ne sebiu..hehe

Ti Entunin, de lá de dente de se cama el dzê:

- Podê sebiá k bo sebiá, que eu não “DRÔMESS”.

Cotédin de Jon! Cunquista kel vez ah d’ficil einh…


VB

quarta-feira, junho 11, 2008

Petição online - Pelo Direito à Educação!

Já está pronta a petição online para a revogação da decisão de expulsão da menina Ana da Escola Secundária Januário Leite no Paúl, Santo Antão.
Vamos todos aceder ao site da petição clicando aqui e deixando aí o nosso contributo para esta causa.

Para os entendidos cá vai o código do banner ao lado:
Colocar antes desse código: < a seguir embed sem espaço e no fim: embed a seguir > sem espaço a um espaço de um caracter do código.

src="http://img387.imageshack.us/img387/4039/pelodireitoeducaoajudevb3.swf" quality="high" pluginspage="http://www.macromedia.com/go/getflashplayer" type="application/x-shockwave-flash" height="170" width="225"><

VB


terça-feira, junho 10, 2008

Aluna expulsa da Escola no Paúl, por sintomas de "Gravidez aguda"!

"Isto é sério, não é um mero exercício ou simulação! Por favor, apelamos a calma e que todos se recolham às salas de aula. Evitem tropeçar ou simplesmente o contacto físico com a aluna Ana Maria Dias Rodrigues. Vamos evitar que esse vírus se alastre mais!", apelava a Directora da Escola Secundária Januário Leite, Alda Maria Martins Lima, naquela que foi um dia de muita agitação (...)

Excerto In: Jornal online "O Estupidamente Absurdo"!

Na verdade estou a mentir. Claro que estou. Este jornal não existe, tampouco a situação acima descrita.

O facto é que todos sentimos perturbados quando alguém lê uma cena dessas aqui no Liberal Online, e depois a onda de solidariedade levantada agora através do blog da Eurídice.

Dizia també o meu broda Olavo - "acho que nós o zé povinho temos que começar a responsabilizar o estado através da justiça!" - e olhem que isto é um copy paste directamente do msn para aqui éh..

Moda alguém dzé: ja ej começa te acordá. Ot emigue de meu te dzé: Não há cú que aguente!

Pois bem, no esperá kel manifesto que Eurídice, Tide e Paulino propó fazé pe ijda Ana, pe nôs tud contribuí.

Atenção pa tud malta: No te prometé k tem tinta indelével pa tud gente!

Na verdade, assinar essa petição é um "Exercício de cidadania" e como dizia Pedro Cardoso no seu jornal "O Manduco":
- "divulgar este manifesto é o dever de todos os bons caboverdianos".

Vamos todos nos unir contra essas formas de "violência mascaradas, codificadas, disfarçadas que são piores do que qualquer tiro de artilharia ou de canhão e que deixam marcas profundas que arrasam gerações e sociedades" , como disse o Olavo.

segunda-feira, junho 09, 2008

Preocupações do, doravante designado, CIDADÃO Olavo!,

Este magnífico texto do Olavo sobre as restrições na liberdade de opção sexual do cidadão, lembra-me um comediante português (Marco Horácio) a fazer uma paródia sobre a forma peculiar de falar de um antigo treinador do Sporting Clube de Portugal, Lazlo Boloni. A paródia é ao mesmo tempo uma sátira direccionada ao sistema fiscal Português.

Isto aconteceu numa fase em que o Sporting tinha perdido a última partida disputada.

Foi mais ou menos assim (Lazlo Boloni só falava Francês):

"Jé sui tré cóntón, parce-que.. jé sui tré conton....et (ê) nu somme enrabu"

Ou seja, "M te contente, porque m te contente e porque eje klofetá nós pé tréz ne jete”.

– tendo em conta ess crise mundial k te bem kestirin te txgá, ôrrôz te bem passá de ser fete só canja pel rendé méj! - .

Apesar d m estod já catalogód pe ser um gaje béstente a favor de emancipação de palavra “Kmôa”, imeginá se panhá maltas (dito, cidadãos) uma baita “turrnirinha”?

Resposta – Os “enrabeurs” (ditos, Klofétodor de pé três de cadé um) em todo o caso ficam "tud ceplêzód de merda!" – Vamos, pois cruzar os dedos atrás das costas Malta!

sexta-feira, junho 06, 2008

Ti Cónde ma Endelsa

Ti Conde, moda el era carinhosamente trotóde pe tud pessoal de zona, foi um ex-peregrino lá pe kej mata de Angola ne temp de mondrongue. Sê vida ne terra de Agostinho Neto foi chei de peripécias kel te bem contá maltas..c’um bokódutche de izéjere, clare… ma te fka promessa d’um contá bzot alguns dexe esteriada de seu um dia dexe.

Ògora conte ê ot:

Codê de ti conde ê Endelsa (Treduzide ê Anderson). Endelsa era um czinha modê min um vez, ou seja, mi era moda Ketchurrin d’nhê Pê. Onde kel somêsse num lombe, bo tava oiéme te bem pê três del.

Certo dia, ás tantas dô note, Ti Conde já antrá ne querte de cama, Endelsa pe três del como sempre te fzel pergunta inguerrnel…

Méj atenção... ess' iôma te trebelóde já ê de graça de r’bá ne nhe Méria..hihi

Konde Ti Conde já n' pude méj, el volta ss’rini ne Endelsa k kel tom de voz suave e calme kel tem, el dzé pe Endelsa (El tava gaguejá um czuk ne iníce de conversa):


Ti Conde - Oh, Oh Endelsa!

Endelsa – Sim, épé!

Ti Conde – Dême licencias de querte de cama keme ti te bem trebalhá ne “interiores da mulher”!

Né pe bzot perguntéme kem k contéme ess esteriada ké inda eje te txméme lá ne c’misson de merodor! hihi

sexta-feira, maio 30, 2008

Viva kel Vin, Viva kel bol

Já que se aprixima o Dia das crianças né...
e...
...Depois de ler um post no Sinta10, lembrei-me desta estorinha mais ou menos engraçada e perversa, a completar com a imagem, hihi.

Felipe de tchunka foi moscote de Escola de Curral das Vacas (Rª das Patas). Kel répez podia ser nhé Pé. Kond m entrá ne primera jal tinha prá lá uns 8 one te klembetchá. Modéstia a parte, kel gaje é um tlobésque da primera.

Apesar de nem sequer beliscarem a reputação e o curriculum de Felipe, no tive lá otx figura, clare está, não menos importantes. Caso para falar de Dji (nôs cantor de service), Tchi (Fi de Ti Conde), Jaílsa de Vinou (maior Insurra de Rª das Pata de todos os tempos). Mas a estória dej rapaz, sem dúvida repleta de peripécias, fica para um próximo post.

Konde tava txgá época de exames, no tava log k’meça te txmá eje moce de rópoza, já que no sebia kej era uns eterno róposa. Róposa, isto é, os reprovados para quem não é desse tempo longínquo.

Decorria ano de 1993, konde no fzé 4ª clésse (um 4ª de mi plédinha moda kej róposa ciumente tava dzé), como sempre no andá tud casa te cmé no bol, bolacha, comoca. Lá ne nhe Dioníse eje dá nos pontche, nhe Ntone de Rosa dá nós sume e vin… como sempre no tava glutchá tud inkuente..

Póssode uns minute turrnirinha e berriga boxe panhá nôs… te passá la ne "R'birinha de méd" sei guerra de kol de nôs k tava te bê vecuá de riba de kel pedrona mej grénde..

Mi sin mut exigência m sentá de riba dum pedra de kej lá, ver oá kel txrrica te bem felguióde moda konde no te rancá ténke nob.

Para além de ferinha, inda tinha lá uns grunzin de fejon irvilha e um mulhin de vin tinte – como dizia ti Lé – Diocana, isso é um fórtura!

Continua …

quinta-feira, maio 29, 2008

FILÚ E A PRAIA DIGITAL

OOOPs!

Juro que esta estória foi-me enviada por email, cujo autor ou autores desconheço. Por isso, naturalmente arrisquei-me a violar os direitos de autor. Se alguém souber alguma coisa é só me avisar para colocar as referências.

Não sou muito de ligar ás piadas que me enviam por email, mas esta não pude resistir sobretudo agora que Filú é o homém do momento, como dizia alguém..hihi!

Apollogies do Dôs Déde de Conversa, por algumas "palavras" menos católicas por parte dos intervenientes!

Isto se passou há muiiito tempo, quando Filú ainda era o Presidente da CMP.

Filú: Alô, Nuias? É o Filú. Oh, camarada vê lá se me ajudas pá. Comprei um computador, mas não consigo entrar na Internet. Estará ela fechada?

Nuias: Desculpa?!...


Filú: Não percebeste? Não consigo entrar na Internet. Quero saber a que horas que ela fecha.


Nuias: O quê??? Filú, meteste a password?


Filú: Pass ... o quê?

Nuias: (ignorante!) ... A chave de acesso, homem.


Filú: Chave? É claro que abri a porta com a chave, querias o quê? Isto aqui funciona com segurança máxima.


Nuias: (Oh, Deus!). Password é uma palavra para te permitir entrar nos programas do teu computador ...


Filú: Ah, devias ter explicado desde o início. Então vou meter já.


Nuias: Entraste ou não?


Filú: Continuo a não conseguir.


Nuias: O que é que meteste?


Filú: Cinco estrelinhas... (asteriscos)


Nuias: Oh, Filú... Foooooodassss.... Bom deixa lá isso, depois eu explico-te. E o resto funciona?


Filú: Não consigo puxar a seta que está no televisor do computador.


Nuias: Tens aí um mouse. Usa-o.


Filú:
Mouse é o quê?


Nuias: Rato (palerma!).


Filú: Agora estás a insultar-me. Achas que o meu Gabinete tem ratos?

Nuias: Deixa para lá. Isto está a ser difícil. Que outro problema tens?
Filú: Não consigo imprimir, pá. O computador diz "cannot find printer". Não percebo, pá, já levantei a impressora, pu-la mesmo em frente ao televisor do computador e o gajo sempre com a porra da mensagem.


Nuias: Foooodassss... Vamos tentar isto: desliga e torna a ligar e dá novamente a ordem de impressão.


[Filú desliga o telefone. Passados uns minutos volta a ligar]


Filú: Nuias, já posso dar ordem de impressão?


Nuias: Olha lá, porquê é que desligaste o telefone?


Filú: Eh, pá! Foste tu que disseste, está doido ou quê? Disseste para desligar e tornar a ligar. Eu cumpri.


Nuias: Foooodassss... Dá lá a ordem de impressão, a ver se isto resulta desta vez.


Filú: Dou a ordem por escrito? É um despacho normal?


Nuias: Oh, Filú ... Foooodassss... Eh, pá, esquece.... Vamos fazer assim: clica no "start" e depois ...


Filú: Mais devagar, mais devagar, pá. Pensas que eu sou algum racker?


Nuias: Se calhar o melhor ainda é eu passar por aí... Olha lá, e já tentaste enviar um e-mail?


Filú: Eu bem queria, pá. Mas tens de me ensinar a fazer aquele circulozinho em volta do "a", creio que isso é coisa de arquitectos ...


Nuias: Circulozinho em volta do "a"????? Isso é arroba, homem! Bom, vamos voltar a tentar aquilo da impressora. Faz assim: começas por fechar todas as janelas, ok?


Filú: Espera aí ...


Nuias: Filú, estás aí?


Filú: Pronto, já fechei as janelas. Queres que corra os cortinados também?


Nuias: Foooodassss... Filú. Senta-te, ok? Estás a ver aquela cruzinha em cima, no lado direito?


Filú: Não tenho cá cruzes no Gabinete, pá ...


Nuias: Foooodassss... Foooodassss... Foooodassss..., Filú, olha para a porra do monitor e vê se consegues ao menos dizer isto: o que é que diz na parte de baixo do ecran?


Filú: Samsung.



Nuias: Eh, pá! Vai pró caaaaraaaaalllhhooooooooooo ...Isso é marca do monitor!!!! Percebes???????


Filú: Nuias? ... Nuias? Tá lá ... poooorrrrrrraaaaaa, o que é que lhe deu?
Desligou ... Ai a minha Praia digital!

terça-feira, maio 20, 2008

Viagem de eleição - A Ilha das Flores

Antes de chegar propriamente à ilha Brava, pode-se vislumbrar a partir do Barco a Aldeia das Furnas, uma das mais importantes povoações da Ilha, a porta de entrada onde se encontra situado o Porto da ilha.

(...) é uma da tarde de 6ª Feira, 16 de Maio, ou seja, dia do encerramento da campanha para as autárquicas e lá estávamos nós a fazer algo realmente digno de eleição - uma visita à ilha das Flores!

Na aldeia das Furnas somos transportados até a Vila Nova Sintra, a Capital da Ilha.

Dada a configuração em forma de cogumelo a ilha Brava dispõe de um relevo bastante acidentado. A estrada que vai das Furnas à Vila Nova Sintra, situada num Planalto num ponto mais alto da ilha, caracteriza-se por uma sucessão de Curvas e Contracurvas. Os Bravenses descrevem orgulhosamente essa estrada como a “Estrada das 99 curvas”.

Chegados à Vila Nova Sintra deparamos com um dos sítios mais bonitos de Cabo Verde. Ruas estreitas, passeios ornamentados, embelezados pelas árvores que, inclinadas, formam uma espécie de cobertura na rua principal da capital da ilha das Flores.

Após a chegada fomos à casa do Sr. Paulo, proprietário de uma pensão com o seu nome. À entrada adivinha-se uma casa bem decorada com vários objectos e mobiliário antigos. À Direita um restaurante de características familiares. O Sr. Paulo mostrou-me o seu quintal com uma plantação pela qual, através do sistema de rega Gota-a-gota produz variados legumes que são consumidos na sua casa e no seu restaurante.

Um pouco mais acima deparamos com a casa onde viveu uma das figuras mais emblemáticas que Cabo Verde já conheceu – Eugénio Tavares. Uma estátua em gesso com um dos seus poemas dedicada à sua ilha natal instalada na pequena praça ao lado da casa, completa este cenário inspirador. À frente um canteiro de flores em forma de um violão, quiçá aquele que compôs muitas das mais belas mornas hoje eternizadas pelo Bana, Ildo Lobo, Cesária Évora, etc…

Um facto curioso, para além da guitarra portuguesa, dos potes de barro e outras peças antigas, é o facto de encontrarmos em cima da mesa da sala uma miniatura feita em madeira do navio Ernestina, uma homenagem aos nossos emigrantes.

Percorrendo mais uma vez as estreitas ruelas de Nova Sintra, mergulhando na multidão que se esforçava para seguir o ritmo quente da festa proporcionada pela campanha eleitoral, seguimos caminho até Fajã d’Água onde iríamos encontrar o Sr. José Andrade, proprietário da Pensão Sol na Baía, um recanto inspirador e uma fonte de encanto.

À saída de Vila Nova Sintra num ponto mais acima, encontramos um miradouro a partir do qual, dispomos de uma vista panorâmica da capital da Brava. Esse lugar convida-nos a sonhar, entre os sucessivos disparos da câmara fotográfica – entre a angústia de no dia seguinte termos de partir – sentindo a frescura do ar e as nuvens mergulhando nas artérias da Vila à nossa frente num rodopio, numa dança, quase que num ensaio do ritual de Kolá São João do dia 24 de Junho próximo, para não falar da chantagem constante do seu avanço obrigando-nos a mendigar um recuo ligeiro para um último disparo.

Ao avistar a Baía de Fajã d’Água, uma sensação de paz e tranquilidade nos invade – sem sombras de dúvidas, uma das mais bonitas Baías de Cabo Verde.

À entrada, passamos por uma capela construída em homenagem aos emigrantes que morreram em 1943, durante o naufrágio do navio Matilde, à caminho dos Estados Unidos da América.

Mais á frente, um pequeno grupo de casas percorrem a estrada que vai dar à uma bela Piscina Natural e à pista onde se situava o antigo aeroporto da ilha.

Mais ao cimo, um trilho inclinado percorrendo uma grande ribeira coberta de vegetação (cana-de-açúcar, bananeiras, coqueiros, e girassóis, muitos girassóis) dá acesso à montanha e à um dos pontos mais altos da ilha – Nossa Senhora do Monte. Esse trilho representa uma das caminhadas mais frequentes e preferidos pelos visitantes e que o Sr. José Andrade, o guia e também proprietário da Pensão Sol na Baía, aconselha a cada novo cliente.

A Pensão Sol na Baía, afigura-se como uma das mais emblemáticas unidades de alojamento da ilha Brava. O Sr. José Andrade, um fabuloso artista plástico recebe-nos com um sorriso contagiante e muito acolhedor.

A casa, rebuscando uma arquitectura importada da França onde o Sr. José viveu desde os 11 anos de idade, o pátio, os quartos, o jardim imenso e a grande plantação, convidam-nos à uma estadia agradável e em constante contacto com a Natureza.

Para além das bananeiras, papaieiras, coqueiros, feijoal, Milheiral, Tomates, Batatas, Cebolas, etc., fomos descobrir no meio da plantação ao redor da casa um trapiche moderno de produção de Grogue, não o de Santo Antão, mas o Grogue de Fajã d’Água.

Conforme indicação do seu produtor, só após uma degustação conseguimos perceber a razão pela qual o Sr. José Andrade vende cada litro de Grogue de Fajã d’Água por 2000$00. Pela visita e explicação, é um grogue produzido somente com a Cana-de-açúcar sem preocupações com a produção em grandes quantidades. Para o mesmo, a qualidade é algo que se compra, por isso interessa-lhe mais produzir e vender a Cana-de-açúcar transformada num produto de Qualidade, com objectivos mais arrojados ainda, isto é, proteger a sua marca e futuramente atingir o preço de uma Garrafa de Whisky para o seu grogue.

Após essa recepção calorosa e deste momento inolvidável, e apesar da ameaça do horizonte em se fazer escuro, seguimos caminho em direcção à Vila Nova Sintra para fazermos um desvio para a localidade de Nossa Senhora do Monte. A localidade de Nª Sra do Monte é uma das zonas mais altas da ilha, com uma organização arquitectónica bastante peculiar. Como em toda a ilha, as casas obedecem ao mesmo estilo arquitectónico e estão dispostas em fila percorrendo a estrada principal. Na parte mais alta da localidade, foi construído pelos emigrantes amigos da Brava nos Estados Unidos da América, um edifício imponente que serve de apoio à comunidade no domínio do acolhimento e da formação das crianças e dos jovens.

Seguindo em frente, avistamos a zona piscatória de Tantum, antes de atingir a distante localidade de Cachaço. O queijo de cabra dessa zona é um dos produtos típicos que a Brava tem de excelência.

Já ao anoitecer a volta para a Vila Nova Sintra fez-se pelo mesmo trajecto. A essa altura, sendo o início do fim-de-semana, encontramos já as ruas da Bila com alguma vivacidade. Pode-se beber uma cerveja fresca na Esplanada da praça Principal ou um Ponche na Casa Mansa ao lado da Praça. Passamos pela Discoteca “Cananga do Japão”, que se encontrava ocupado com uma festa particular “Sô pa cunvidaduz”.. Em termos de vida nocturna, na Bila fica-se mesmo pelo passeio pelas ornamentadas e bem organizadas ruas, pela praça principal seguida de uma cerveja, ou um ponche para os menos habituados à temperatura mais fresca vigente na ilha das Flores.


(...) são sete horas da manhã, o Barco parte às oito. Uma sensação de perda, uma nostalgia, a ansiedade do próximo encontro!

quinta-feira, maio 15, 2008

Djan Vota na Mudansa.. D'nhe Blog

Aproveitando o Slogan de campanha eleitoral utilizado por vários Candidatos, irei modificar alguns ítens do meu perfil. Não por "goste de corpe" mas sim para responder a um desafio lançado.

Apesar deste blog basear-se até agora em "estórias de gente de cómpe" (como dizia alguém), a sua temática irá variar um pouco, obviamente sem esquecer as velhas e engraçadas "estórinhas de cómpe ne linga de sintanton" que marcaram e continuam a marcar o nosso jeito de ser e estar (...) para além de constituirem elementos importantes na caracterização da nossa identidade, bla, bla, bla...

Espero algum dia estar a altura das vossas esxpectativas.

Obrigado pelo apoio de todos.

Hoje ê "Dia Universal dos Direitos Humanos"













Ver Aqui o desafio lançado, e um grande provérbio aqui.

segunda-feira, maio 05, 2008

(Na Fogo) Ôrguen di Santantan gô ê Xuxanti!










Rapá di Santantan txigá na Dj’ar Fogu pa primeru bês ma ê staba um bokôdin xatiadu ku bida pamô, mô ki tá fradu, ma Dja’r Fogu Kô tem kabu ba!

Rapá di Fogu fra el: Du ba mi cu bo, du ba botá um âgu la Tropical !

La Tropical âgu ruba âgu, papiadu txeu, arguen txeu (gaju di santantôn ka sta ntendê nada go..)…

Rapá di Fogo: A bô kumodê ku sta txá Fogu?

Di Santantan: Ammm. mine sebe, m txgá foi gósterdia inda mine sebe dret am!

Gaju di Fogu insisti: Naaaa.ma…maz ô mêno kuzê ki bu acthâ dess kabu? Pikenas…ess cidadi…dan só um ideia!

Di Santantan: Mi mine sébe ma se bo k’zér m te dzeb ma inda mine de ken’cê s’elgar dret..bom!

Di Fogu: na, xuxanti..frâ go!

Rapaz di Santantan cumeça splikaçan:

Di Santantan - Bo ti t’oá onde k te fka fim de munde?

Di Fogu: Na, mi keli go n k sôbé! Bô xuxanti..arguen di santantan ê só xuxanti.

Di Santantan: Não só imeginá um l’gar mêj ou menos k pudia ser fim de munde ok?

Di Fogu: N k sôbé kuzé bus ta nel ma..yá…djan imaginê..

Di Santantan: Já bo imeginél próp? Ma kel lugar n né Fogue né?

Di Fogu : Naaaa…kumodê..Fogo naaaaaa..ê ôtu kâbu !

Di Santantan : Ah ok! indê bem…apus uá…Enton bo tem là: Fim de Munde, bé més um czuk, bo t’otchá Fogue….(risos)..é d’pôj de fim de munde!

Di Fogu: n te matábu…cr**a bu mã

Rapá di Santantan (kustumadu ki sta na koré trás Cabra) djá corrêba 2 km djá.

…Ahah… Goci gaju di santantan dja sta tantu kustumadu ku bida di bera Burcan ki djal kô krê ba mas nê um kabu… Fradu mo afinal djal diskubri kê staba êradu..

Arguen di Santantan ku Sónv'centi ê xuxaaaaanti.

segunda-feira, março 31, 2008

blog sébin

Ê d'fissla ma m tem k escuí só 2!

Enton ulije:
blog de Póline de Junzin de Pólina e Sinta10 de Bévinde!

Já agora eje ê k teme incentivod pe publicá ex coza sin nexe.

Méj dôs mut bom blog seria: Veredas d'Olavo e Café Môrgose.
Hummm... acho k min pud escuí sô dôs!

sábado, março 29, 2008

Discurse de Boltchôr sobre … A K’môa (em Pertuguês Kimóia)!


“A Kmôa”

A Palavra Kmôa ê um palavra k tred’zide pe linga de Pert’guês ê Kimóia. Isse perquê, deve ser de kel tchuva inguerr’nel k ta da da la pe Jelboa e nôs nô t’ôiá sô serrôçón te bem d’Áfka.

A Kimóia é um produte kímika mut importénte pe f’zê estrume, criá coive..etc, melégueta. Ma s’même lê prigose pe…limentoçon. El tem um tchér merguzin e la na casa lê constituide pe mi plêdinha , sal, coive de vez em quende e f’jôn irvilha dia’ê sim di’ô nôn.

Existe mutô’forma de caratrizá A Kimóia, tal e qual:

- Existem os Kimóia socód, ou seja, conde gente te kmê kmistive sék. Ou éinda pode ser Sék conde jal te estód uns dia lorgod ne r’bera sin bereja nem nada e normalmente gente te txmél SÉK.

- Existem tembé os Kimóia moiôd, ou seja, kuand u k’mistive ê moiédin (k’mistive k molhe, papa’ô mole, ôrrôz impópóde, kômoka k léte, ága de côa e nôs fomóse turr’nirinha ou diêrrera).

O Kimóia provoca muta sensoçon ne cristôn. Um deje ê kuande nh’ovô t’oiá um rol de K’môa no tchon, ele sempre replica: - Ôh Tchébék!

Outra sensoçons dos K’môa é um sensoçon de móiód ne ussin de rosér, isto é, ne nos diélet no te tx’mél “B’fin k molhe”.

Quando eu era éinda pequenino eu gostava muito dos K’môa méje com a idéde, tornei mais aflitado e acostumado com nhe Côtchupa de mi plêdinha, de mi Brónque, de Sók de Lórou e F’jón pe Natal, pa Paska e dia de Son Jon.

Nh’intençons era dar a toda populoçon mundial, informoçon sobre o k é a kimóia e participar os meus manifestoçons de intençons de fézer um dia (29 de Morce?) , dia da K’môa!

Obrigado!

Blog Widget by LinkWithin